PROGRAMA>>>Coloquio 65 años de la Cepal en México: relectura del estructuralismo latinoamericano.

 

PROGRAMA EN PDF

 

 

 

Alejandro Vanoli renunció al Banco Central de la República Argentina: Carta

red

Vigencia de su pensamiento para el desarrollo de Asia y América Latina

Jueves 31 de marzo de 2016, 17:00 hrs.

 

 

 

 

 

 

 

 

ALDO FERRER
1927- 2016

aldo

Economista y ex ministro de Economía de la provincia de Buenos Aires, Aldo Ferrer falleció el 8 de marzo.

Miembro de la Red Eurolatinoaméricana de Estudios para el Desarrollo Celso Furtado, la cual publicó varios textos sobre la economía argentina, entre los que destacan:

Faltará su presencia física, permanecerán sus aportes.
Red Celso Furtado

 

Los miembros de la Red Celso Furtado compartimos la carta de  Rosa Freire d'Aguiar, Miembro del Centro Internacional Celso Furtado y de su Conselho Deliberativo.
Rio de Janeiro, Brasil


 ALDO FERRER - "Un gran señor"


Acabo de saber do falecimento do economista argentino Aldo Ferrer, hoje 8 de março, em Buenos Aires, aos 88 anos. Jornais, sites, blogs da Argentina, da América Latina, dos Estados Unidos,certamente se alongarão sobre a vida e obra de Aldo, intelectual respeitado e brilhante, autor de livros seminais de teoria e política econômica, história econômica, entre os quais destaco “La Economía argentina” (1963), “Vivir con lo nuestro” e, mais recentemente, uma "Historia de la Globalización", em 2 volumes. Aldo foi ministro da Economia de mais de um presidente da República, secretário executivo da Clacso, presidente do Banco da Província de Buenos Aires no governo Alfonsín, entre outros vários cargos públicos.
Era muito amigo de Celso Furtado, a quem conheceu nos anos 50, em algum corredor da ONU. Desde então ficaram muito ligados, sempre nos víamos em Paris, no Rio, e em outros quadrantes mundo afora. Aldo foi dessas amizades de Celso que tive o prazer de herdar. Generoso, despretensioso, há muitos anos dedicado só à vida acadêmica, tanto na Universidade de Buenos Aires como no Grupo Fénix -- formado por economistas argentinos nos anos 2000 para conceberem uma alternativa ao modelo neoliberal que, lá como cá, veio no bojo do malfadado Consenso de Washington -- Aldo sempre aceitou os convites que em nome do Centro e no meu próprio lhe fiz para debates, lançamentos de livros, seminários. E que me deram a oportunidade de presenciar alguns momentos que, se não foram “grandes”, foram para mim muito significativos da personalidade dele. Lembro um ou dois.
Foz do Iguaçu, 2010, Cúpula Social do Mercosul, e lançamento de nova edição em espanhol do livro de Celso “Formação econômica do Brasil”. Aldo falaria no quadro da Cátedra Celso Furtado, da UNILA, cujo reitor era então Helgio Trindade, Veio com um neto e uma neta, ambos morando na Patagônia (o neto é este abaixo, e voltaria ao Rio com o avô em 2014). Uma noite fomos jantar num restaurante de Foz, nós quatro. Conversa vai e vem, o neto, adolescente, ainda sem saber o que ia estudar, perguntou a Aldo: “Vovô, para que serve um economista?” Ele respondeu muitas coisas, mas me lembro especificamente de: “Serve para melhorar a vida das pessoas nas sociedades, refiro-me aos verdadeiros economistas, porque hoje, em nosso continente, muitos deles só servem para ganhar plata, mucha plata”.
Paris, 2012 ou 13. Aldo era embaixador da Argentina e regularmente me convidava para almoçar na residência. Não me parecia muito feliz longe de Buenos Aires, daí talvez ter renunciado ao posto de tanto prestígio, e ter retornado, dois anos depois da chegada, ao convívio com as três filhas e os netos. No final do almoço, me chamou para um coquetel em que o convidado de honra era Ricardo Darín, que estava em Paris para o lançamento de seu último filme. Convite aceito. E no mundaréu de gente, Aldo, magrinho, mignon, quase se escondia num cantinho do salão, querendo se ofuscar. Comentei isso com ele: “A estrela é Darín. Se tivéssemos uns outros tantos nas ciências sociais, seria uma maravilha".
A última vez que nos vimos foi há um ano e pouco, no Rio: mesa-redonda que organizei sobre os dez anos da morte de Celso. Num belo depoimento, ele lembra a convivência de ambos desde os anos 50, a Cepal, o estruturalismo, Prebisch, como pensaram a América Latina, a Argentina de então e de hoje. Saiu publicado em Cadernos do Desenvolvimento (Centro Celso Furtado) n. 14, p. 287, link abaixo.
Don Aldo era “un gran señor”, com tudo o que a expressão carrega de admiração e afeto. E não só: Aldo era um excelente conhecedor de vinhos. E frequentador de milongas. E um excelente dançarino de tango.

Rosa Freire d'Aguiar

 

 

Ferrer se recibió como contador público en la Universidad de Buenos Aires (UBA) e integró el llamado Grupo Fénix, creado en el 2000 por economistas para diseñar un modelo económico alternativo a las políticas neoliberales. En 2002 publicó el libro Vivir con lo nuestro. Nosotros y la globalización.
Se desempeñó también en el ámbito académico como secretario ejecutivo del Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (Clacso), y en 1996 recibió el Premio Konex de Platino por su trayectoria en análisis económico aplicado.
Fue ministro de Economía bonaerense bajo la gobernación de Oscar Alende entre 1958 y 1960. Durante la presidencia de Raúl Alfonsín fue titular del Banco de la Provincia de Buenos Aires hasta 1987, y con Fernando de la Rúa presidió la Comisión Nacional de Energía Atómica (1999-2001). Durante la administración kirchnerista fue embajador en Francia y director de Enarsa.

Fuente: La Nación

 

 

CARTA DE RENUNCIA DE ALEJANDRO VANOLI AL BANCO CENTRAL DE LA REPUBLICA ARGENTINA

 

Dr. Guillermo Gigliani. 14 de octubre 2015

"Ciclo Neodesarrollista Argentino en 2002-2015"

 

 

 

 

 

 

 

 

Álvaro García Linera en México. Septiembre 2015

"Proyecto de nación y proceso constituyente: la experiencia boliviana"

 

 

 

 

 

 

 

 

56

 

XV Seminario de Economía Fiscal y Financiera

123

XV Seminario de Economía Fiscal y Financiera
Nueva competencia monetaria y financiera: instituciones e instrumentos
17 al 19 de marzo de 2015
Auditorio Mtro. Ricardo Torres Gaitán
9:00 a 17:00 horas

El XV Seminario Internacional de Economía Fiscal y Financiera se está organizando alrededor del tema Nueva Competencia Monetaria y Financiera: instituciones e instrumentos. Este responde a los objetivos del proyecto “Competencia Financiera Global y Regional: Modelos de Financiamiento Post-Crisis” y a la discusión que al interior de la Unidad de Investigación en Economía Fiscal y Financiera se está llevando acabo ante los cambios de los circuitos financieros en el periodo de post-crisis.

fechas importantes - Mostrar

Programa - Mostrar

 

 

CELSO FURTADO

Hace diez años murió Celso Furtado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Celso Furtado murió el 20 de noviembre de 2004. Hoy, diez años más tarde, Rosa Freire D'Aguiar recuerda el día y sugiere la lectura de sus últimos textos, fuertes mensajes para nuevas y viejas generaciones. Lea también un dossier de su bibliografía, revisión del sitio de la biblioteca y encontrar los resúmenes de todos sus libros. >>>

 

http://www.cedem.org/images/stories/cartelnov2014.jpg

ABELARDO MARIÑA (UAM-A)

 

 

 

 

 

 

WESLEY MARSHALL (UAM-I)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ARTURO GUILLÉN (UAM-I)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MARTHA BAÑUELOS(UAM-I)

 

 

 

 

 

 

 

GREGORIO VIDAL (UAM-I)

 

 

 

 

 

 

A esperança de Celso Furtado nas eleições de 2014

Nestas eleições, a consciência do povo brasileiro está sendo desafiada a conjugar como nunca a defesa de seus direitos públicos, os valores da democracia.

Juarez Guimarães

Arquivo


Em seu blog inteligente, musical e bem informado, Luís Nassif escreveu por todos nós ao responder a mais uma provocação dos economistas neoliberais saídos da toca em nome de Marina Silva. Depois de Eduardo Gianetti dizer que a tradição da economia crítica da Unicamp era filhote da ditadura, agora vem um certo Alexandre Rands, em palestra sempre para mais banqueiros, afirmar que a “as propostas de Celso Furtado para o país não fazem mais sentido se é que já fizeram algum dia”. “Este um quem?”, perguntou ironicamente Luís Nassif, que faz esse juízo tão mal informado sobre o economista brasileiro mais reconhecido da nossa história, no Brasil e no mundo.

É o problema do fast food neoliberal: há a matriz de idéias – já marcada por uma exuberante indigência intelectual – e abrem-se “franquias” de idéias ainda mais caricaturais. O juízo questionável de origem é de Fernando Henrique Cardoso: o Brasil não seria mais um país subdesenvolvido mas sim injusto. Isto é, a correção de suas disparidades sociais não demandaria mais soberania nacional e reformas estruturais mas educação ( oferta de novas capacidades ) e mais mercado ( novas oportunidades). Mas nem Fernando Henrique Cardoso diria isto, que as idéias de Celso Furtado nunca teriam feito sentido.

Mais do que um sintoma, o episódio vale pelo sentido do que está em disputa nestas eleições de 2014. Como disse uma vez Walter Benjamin, se eles fossem capazes agora de vencer, não só os vivos, mas inclusive os mortos correriam perigo. Por um momento, revisitamos esta foto impressionante do velho economista nordestino em 1998 (na bela edição da Companhia das Letras, organizada por Rosa Freire Furtado, em memória dos 50 anos de “Formação Econômica do Brasil”), com o rosto vincado como o de um sertanejo e os olhos brilhando, apesar de tudo, de esperança. E o que nos diz, então, Furtado?

Certamente não seria uma lição específica do que fazer com os instrumentos disponíveis da macro-economia mas de como pensar os novos impasses econômicos do Brasil e como encontrar o caminho para um novo ciclo, dinâmico e sustentável, ainda mais profundo de crescimento, distribuição de renda e e inovação. Não seria uma solução técnica nem burocrática mas, como sempre fez Furtado , trata-se de construir razões apoiadas na legitimidade da vontade democrática do povo brasileiro. E estas eleições são, por excelência, o momento ideal para isso: formam-se maiorias eleitorais claras, amplas e sólidas com razões e com a força renovada da esperança.

Subdesenvolvimento e “O longo amanhecer”
A primeira lição de Furtado foi sempre a de pensar o Brasil em suas temporalidades longas. O seu conceito central – o de subdesenvolvimento que organiza todo o seu campo de análise e de proposições, indicando a fixação de desigualdades estruturais na relação do Brasil com o mundo e na própria sociedade brasileira - foi construído como síntese de uma longa visão histórica e estrutural da nossa formação retardatária e desigual inserida na formação geral do capitalismo.

E, neste sentido, a questão posta por Furtado hoje para nós é: as conquistas históricas profundas e inéditas construídas nos últimos doze anos pelos governos Lula e Dilma já foram suficientes para superar o subdesenvolvimento?

A resposta provável de Furtado seria: não ainda embora nunca tenhamos criado tantas condições para superá-lo.

O que se conseguiu até agora construir na distribuição de renda, inclusão social e recuperação dos direitos do trabalho pode ser sinalizado, de modo apenas muito aproximativo, por alguns indicadores. Segundo o IPEA, o Índice de Gini (que mede a desigualdade, quanto mais próximo de zero menos desigual), foi de 0,495 em 2013, era de 0,583 em 2002 ( último ano FHC), sendo estimado em 0,536 em 1960. Isto é, o que conseguimos avançar, por este índice bastante utilizado mas ainda impreciso, foi desfazer a concentração de renda fortalecida nos 21 anos da ditadura militar e praticamente mantida nos oito anos de neoliberalismo e começar a ir além, o que é uma direção para entender o forte dinamismo desconcentrador destes últimos doze anos. Nos países que construíram estruturas do Estado do bem-estar social, o processo de mudança na distribuição mais rápido foi a diminuição anual de 0,007 na concentração da renda.

No que diz respeito à distribuição funcional da renda entre o capital e o trabalho, a partir das Contas Nacionais do IBGE, somando os salários e a remuneração dos autônomos, este índice era de aproximadamente 65 % em 1959, de 64 % em 1995, de 58 % em 2004 e, a partir daí, crescendo sempre, tendo já atingido 62,3 % em 2009, segundo os cálculos do economista João Sicsú. Isto é, em um grande agregado aproximativo da distribuição entre os rendimentos do capital e dos assalariados e autônomos, estaríamos nos aproximando do índice do auge do período desenvolvimentista no pré-64.

No que diz respeito à evolução do valor real do salário mínimo, a partir do Índice do Custo de Vida calculado pelo Dieese, este era de R$ 1 211,98 em 1960, baixou a R$ 414,75 em 1990, a R$ 322,00 em 2002 ( último ano FHC) e subiu a R$ 514,00 em 2010 ( último ano Lula). Teve um acréscimo em seu valor real de 0,31 % em 2011 e de 8,30 % em 2012. Isto é, segundo o Dieese, estamos ainda longe do salário-mínimo alcançar o poder de compra real que tinha em 1960, apesar de ele comprar em 2010 2,17 cestas básicas ao invés de 1,42 cestas básicas em 2002, último ano do governo FHC.

A verdade é que o Brasil ainda é um dos países mais desiguais do mundo, embora nos últimos anos tenha sido um dos que mais conseguiram avançar na erradicação da pobreza. Esta desigualdade social estrutural está bem demonstrada exatamente pelo fato de que ainda mais de 40 milhões de pessoas precisarem de um complemento de renda através do Bolsa Família para sobreviver minimamente. O Brasil ainda é subdesenvolvido porque mantém ainda desigualdades sociais estruturais no acesso aos bens de civilização, como diria provavelmente Celso Furtado.

Esta visão de longo prazo é muito importante porque, como diria o mestre Furtado, ainda há muito o que distribuir para mais poder crescer. E isto é mais verdade ainda para os últimos anos nos quais convergiram o menor crescimento das exportações brasileiras em função da crise internacional, o fato dos ganhos na demanda interna por inclusão social passarem a ser mais de natureza incremental, o salário-mínimo teve um crescimento menor, o emprego aumentou em taxas menores e o caminho da expansão do crédito foi por duas limitado por manobras altistas do Banco Central e pelo endividamento das famílias. E é mais preocupante ainda porque teria prevalecido na opinião especializada o diagnóstico de que o problema estaria centrado na rigidez estrutural da oferta, diante da maior pressão inflacionária.

Mas também nas relações do Brasil com o mercado mundial, a dependência (que acompanha sempre o subdesenvolvimento, na visão de Furtado) evidencia que o Brasil ainda não superou plenamente as heranças histórico estruturais de sua condição antes periférica. Está decerto mudando a inserção do Brasil no sistema-mundo, para lembrar Wallerstein e Arrighi, e estamos viajando historicamente da semi-periferia para o centro.

Mas esta viagem está ainda a meio caminho: se saímos da dependência do FMI, que retornava em crises cambiais fatais desde os anos oitenta, se estamos construindo uma nova institucionalidade econômica alternativa com os BRICs, se temos hoje uma muralha de centenas de bilhões de dólares de reservas cambiais acumuladas, as nossas exportações dependem fundamentalmente de commodities, a indústria nacional patina e as inovações ainda não encontraram um ambiente prolongado e propício para construir suas redes e suas cadeias de internacionalização.

E ainda o mais importante: o conceito de subdesenvolvimento de Celso Furtado jamais foi economicista e sempre mirou nas construções cristalizadas no Estado brasileiro, que reproduziam a dinâmica do subdesenvolvimento. Daí o segundo conselho que o mestre Furtado nos daria: olhar para as relações que conseguimos construir entre a democracia e a macro-economia brasileira.

Democracia e superação do subdesenvolvimento

A razão central para o maior valor de Celso Furtado na cultura do nacional-desenvolvimentismo no pré-64, em um ambiente em que a esquerda brasileira ainda não conjugava bem socialismo e democracia, era o de sempre vincular a superação do subdesenvolvimento ao aprofundamento da democracia no Brasil. Se é verdade que havia neste período ainda nele uma certa ilusão nos poderes da racionalidade do planejamento público frente ao estrito interesse das classes em disputa, depois de 1964 houve sempre e cada vez mais um aprofundamento e uma politização do pensamento e da ação de Furtado até se tornar, apesar do exílio, o principal intelectual orgânico do então MDB.

Este caminho que vai da economia política reformista para uma política radical da economia o levaria, afinal, a se encontrar com este outro grande intelectual nordestino em formação, que é Lula. Antes do encontro, Celso Furtado já havia formulado o pensamento de que, diante da crescente transnacionalização da grande burguesia brasileira, os destinos nacionais dependeriam cada vez mais da força e do poder político das classes trabalhadoras.

Como homem público, Celso Furtado nunca pensou uma solução econômica para um impasse sem o dilema da formação da formação de sua legitimidade na opinião pública. A operação Nordeste e a criação da Sudene, após um trauma humanitário nacional com os dramas da grande seca do fim dos anos cinqüenta, só foi possível porque fez convergir a opinião sagrada de um Dom Hélder Câmara, o radicalismo das Ligas Camponesas, a nova liderança de Arraes, a canção sertaneja de Luiz Gonzaga, as visões do Cinema Novo e da canção de protesto, a rebeldia dos jovens e da consciência nacional: na canção de Carlos Lira, o subdesenvolvimento virou até canção para o s jovens do CPC. Nunca, então, o Brasil foi tão nordestino.

Foi Celso Furtado talvez quem expressou, de forma mais dramática, no pré-64 que a composição da Câmara Federal e principalmente do Senado eram uma barreira, de formação patrimonialista e conservadora, às reformas de base que eram necessárias para o Brasil superar o subdesenvolvimento. Em escritos pouco conhecidos, chegou a reivindicar a formação de uma nova “ciência política” para os novos tempos, embora sua linguagem nunca tenha freqüentado e se desenvolvido nas avenidas abertas pelas culturas da democracia participativa.

O combate à corrupção sistêmica no Estado brasileiro, identificando as heranças do patrimonialismo que ele tanto enfrentou na sua cruzada contra a “indústria da seca” ou a privatização das funções do Estado tão limpidamente defendida pelos seus adversários liberais, sempre foi central para Furtado. Ele bem sabia que a corrupção deslegitimava exatamente a dimensão pública do Estado que era necessário alargar e tornar referencial.

Identificando no capitalismo uma fatal separação entre a racionalidade dos meios e a racionalidade dos fins, pregava sempre pela formação de uma vontade pública informada e socialmente ampla capaz de qualificar a própria noção do desenvolvimento, interagindo, então, a partir dos anos setenta, com as novas consciências ecológicas em formação.

Planejamento democrático e Banco Central soberano

Neste mesmo sentido, foi muito interessante o editorial do jornal Valor Econômico do dia 12 de setembro. Escrito em linguagem escandalizada, ele chamava a atenção da presidente Dilma, que em suas críticas à proposta de “autonomia do banco Central”, tinha ido longe demais na crítica aos poder dos bancos e à necessidade de subsunção dos poderes do Banco Central ao poder soberano.

Como são cínicos os neoliberais! Não foram eles quem, na ausência em cena de uma linguagem liberal mais cosmopolita e politicamente mais formada de Fernando Henrique Cardoso, expressaram seu protagonismo e interesses corporativos de modo tão nítido e voraz, avançando todos os sinais?

Pois muito bem: os bancos não devem formar um quarto poder e o Banco Central deve ser “servidor” – na boa linguagem republicana de Rousseau – dos interesses do povo soberano, como afirmou com uma nitidez nunca tão pública na democracia brasileira a presidente Dilma.

Este, o terceiro grande conselho provável do mestre Furtado: para democratizar a economia é preciso avançar nas condições do planejamento público. Por isto, controle soberano das riquezas do pré-sal e a prioridade para os bens públicos da educação e da saúde. Por isso, cada vez mais poder estratégico para os bancos públicos. Por isso, é preciso fundar uma nova economia de tributação no Brasil. Por isso, é preciso também construir mais legitimidade para uma nova macro-economia da dívida pública no Brasil, tanto mais responsável quanto mais combinar a responsabilidade fiscal com as funções públicas do Estado. Por isto, é preciso avançar na construção de um sistema nacional de inovação, que carreie para o interesse público prioritário as inovações da ciência brasileira.

Nestas eleições, a consciência do povo brasileiro está sendo desafiada a conjugar, como nunca antes, os seus direitos públicos com os valores da democracia e uma nova macro-economia do desenvolvimento. Um novo patamar de consciência cidadã pode estar se formando no Brasil através da própria dialética da luta de classes. Apuremos, então, os nossos sentimentos para a esperança que há nas razões de Celso Furtado.

Fuente: http://www.cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FPolitica%2FA-esperanca-de-Celso-Furtado-nas-eleicoes-de-2014%2F4%2F31845

 

 

 

 

 

 

19 mayo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

26 mayo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

bb

Reconocimiento Ifigenia Martínez 2014 y conferencia "América Latina: minería y desarrollo"

Ponente: José Déniz Espinós (Universidad Autónoma de Zacatecas)

Fecha: Miércoles 26 de marzo de 2014, 18:30 hrs.
Lugar: Auditorio Maestro Jesús Silva Herzog del Posgrado de la Facultad de Economía
Circuito Mario de la Cueva s/n, C.U. México D.F.


XIV Seminario de Economía Fiscal y Financiera

XIV Seminario de Economía Fiscal y Financiera
Estancamiento y deflación en un mundo global
Coordinadoras:
Dra. Alicia Girón, Mtra. Patricia Rodríguez y Dra. Eugenia Correa

25 y 26 de marzo de 2014
Auditorio Mtro. Ricardo Torres Gaitán
Sala Dr. Ángel Bassols Batalla
Sala Mtro. José Luis Ceceña Gámez
De 9:00 a 18:30 horas

fechas importantes - Mostrar

Programa - Mostrar

estrategias

cartel

 

 

celso

cels

 

LAS CRISIS. DE LA GRAN DEPRESION A LA PRIMERA GRAN CRISIS MUNDIAL DEL SIGLO XXI
GUILLEN ROMO HECTOR

EDICIONES ERA

Año: 2013

Sinopsis

EN SEPTIEMBRE DE 2008 LA IRRUPCIÓN DE UNA GRAN CRISIS FINANCIERA AFECTÓ EL CORAZÓN MISMO DEL SISTEMA ECONÓMICO: LOS ESTADOS UNIDOS. EN LOS MESES SIGUIENTES, CAYERON LA PRODUCCIÓN MUNDIAL, EL COMERCIO, LOS CRÉDITOS Y LAS INVERSIONES. MUCHOS INDIVIDUOS PERDIERON SU TRABAJO, SU VIVIENDA, SUS AHORROS EN EL CASINO FINANCIERO MUNDIAL. EN LAS ÚLTIMAS TRES DÉCADAS LOS ECONOMISTA NEOLIBERALES, CON SU IDEOLOGÍA DEL MERCADO LIBRE, HAN APOYADO LAS DESREGULACIÓN FINANCIERA Y LA BUSQUEDA DESENFRENADA DEL BENEFICIO A CORTO PLAZO, Y HAN JUSTIFICADO TEÓRICAMENTE POLÍTICAS CUYO RESULTADO ES UN CRECIMIENTO MENOR, UN AUMENTO DE LA DESIGUALDAD Y LA INSEGURIDAD EN EL EMPLEO Y UNA MULTIPLICACIÓN DE LAS CRISIS FINANCIERAS. EN ESTE LIBRO SE HACE UNA HISTORIA Y UN DIAGNÓSTICO SOBRE LAS CRISIS DEL CAPITALISMO EN GENERAL DESDE 1929 HASTA LA RECIENTE CRISIS FINANCIERA MUNDIAL Y LA CRISIS DE LA DEUDA SOBERANA EN LA ZONA EURO. COMO RESULTADO DE LA LIBERALIZACIÓN Y LOS PODERES EXORBITANTES OTORGADOS AL CAPITAL FINANCIERO, LOS GOBIERNOS EUROPEOS ESTÁN IMPONIENDO POLÍTICAS DE AUSTERIDAD Y REGRESIÓN SOCIAL QUE DESMANTELAN EL ESTADO DE BIENESTAR. EN LA SITUACIÓN DE ESTANCAMIENTO O DE RECESIÓN EN QUE SE ENCUENTRAN MUCHOS PAÍSES EUROPEOS, LA LÓGICA DE LA AUSTERIDAD SÓLO PUEDE GENERAR, EN EL MEJOR DE LOS CASOS, EL ESTANCAMIENTO DURABLE DE LA ECONOMÍA Y, EN EL PEOR, UNA GRAN DEPRESIÓN. GUILLÉN ROMO SOSTIENE QUE LA AUSTERIDAD NO COMBATE LA CRISIS FINANCIERA SINO QUE, POR EL CONTRARIO, LA ALIMENTA. ESTE LIBRO QUIERE SERVIR COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISIS Y REFLEXIÓN PARA TODAS LAS PERSONAS QUE SUFREN POR LAS POLÍTICAS DE AUSTERIDAD Y EN ESPECIAL PARA LOS JOVENES INDIGNADOS QUE HAN SALIDO A LAS CALLES PARA RECHAZAR LAS POLÍTICAS DE AUSTERIDAD Y RECLAMAR MEDIDAS ALTERNATIVAS MÁS JUSTAS PARA SUPERAR LA CRISIS,

 

lib2

 

lib

 

 

Vídeos

Dia 15/08 - manhã.

  • Abertura

João Carlos Ferraz (Vice-Presidente, BNDES)
Tania Bacelar (Presidente do Conselho Deliberativo, Centro Celso Furtado/UFPE)
Marcos Formiga (Diretor-Presidente, Centro Celso Furtado/UnB)

  • Palestra Inaugural: Developing countries in the world economy: falling behind and catching up

Deepak Nayyar (Jawaharlal Nehru University, New Delhi)

  • O novo desenvolvimentismo e a macroeconomia estruturalista do desenvolvimento

Luiz Carlos Bresser-Pereira (FGV-SP)

 

 

15/08 - tarde - parte 1

  • Mesa: Desenvolvimento e a dimensão territorial no planejamento de ciência, tecnologia e inovação no Brasil 

Coordenação: Carlos Antônio Brandão (UFRRJ) 
Mariano Francisco Laplane (CGEE) 
Antonio Carlos Filgueira Galvão (CGEE)
Mariano de Matos Macedo (UFPR)
Ivo Marcos Theis (FURB)

 

 

 

15/08 - tarde - parte 2
 
  • Mesa: Integração da América do Sul: desafios do desenvolvimento regional no século XXI
Coordenação: Ingrid Sarti (UFRJ)
Emb. Samuel Pinheiro Guimarães
Gerardo Caetano (Cefir/Mercosul e Udelar)

 

 

 

16/08 - manhã - parte 1
 
  • Conferência: Rumo a um novo contrato social para um desenvolvimento includente e sustentável
Ignacy Sachs (Maison des Sciences de l'Homme)
 
  • Conferência:
Vanessa Petrelli Corrêa (Presidenta, Ipea)
 
 
 
 
16/08 - manhã - parte 2
 
  • Mesa: Novos temas sobre política industrial
Coordenação: David Kupfer (UFRJ)
Fernando Sarti (Unicamp)
João Carlos Ferraz (Vice-Presidente, BNDES)
 
 
 
16/08 - tarde - parte 1
 
 
  • Mesa: A importância da dimensão política no novo ciclo de desenvolvimento brasileiro.
Coordenação: Senador Saturnino Braga
Tania Bacelar (UFPE)
Eduardo Raposo (PUC-Rio)
Marcos Costa Lima (UFPE)
Milton Temer (PSOL)
 
 
 

16/08 - tarde - parte 2

  • Mesa: Os movimentos sociais e o desenvolvimento nacional
Coordenação: Dulce Pandolfi (FGV-Rio)
Betânia Ávila (SOS Corpo)
Itamar Silva (Ibase)
João Pedro Stedile (MST)
 
 
17/08 - manhã
 
  • Mesa de entrega dos Prêmio de Monografias da Eletrobras:
José da Costa Carvalho Neto (Presidente, Eletrobras)
Marcos Formiga (Centro Celso Furtado / UnB)
Fernando Puga (BNDES)
 
  • Mesa: Integração da energia na América do Sul
Coordenação: Adilson de Oliveira (UFRJ)
Ruderico Ferraz Pimentel (UFF/Eletrobras)
 
  • Mesa: Crise Internacional
Coordenação: Carlos Pinkusfeld (UFRJ)
Theotonio dos Santos (UFF)
Matias Vernengo (Banco Central da Argentina)
 
 
17/08 - tarde - parte 1
 
  • Mesa: Bancos de desenvolvimento, estabilidade econômica e sustentabilidade
Coordenação: Leonardo Burlamaqui (Ford Foundation / UERJ)
Jan Kregel (Levy Institute)
Michelle Chan (Friends of the Earth)
Fernando Nogueira da Costa (Unicamp)
 
 
 
17/08 tarde - parte 2
 
  • Palestra de encerramento: O Brasil frente à crise
Professora Maria da Conceição Tavares (UFRJ)
 

 

 

 

 

GÉRARD DE BERNIS (1928‐2010)

red

 
Arturo Guillén y Gregorio Vidal
Departamento de Economía
Universidad Autónoma Metropolitana,
Unidad Iztapalapa, en México.
 
Un gran corazón y una mente lúcida dejaron de existir en la Nochebuena del 2010. Después de una penosa enfermedad que lo arrancó de su fructífera vida intelectual de muchas décadas, el economista francés Gérard Destanne De Bernis murió víctima de un ataque cardíaco inesperado.
Leer más  red   French red   Englishred
 
 

red

red

red

red

red

redred